sexta-feira, 6 de novembro de 2009




O BEIJO



Levou-me sem feitas frases

Somente passo e camisa

Roubou-me um beijo de brisa

Na quadratura da tarde



Jogou-me contra a parede

Rasgou-me a blusa de linho

Roubou-me um beijo de vinho

Diante das aves vesgas



Puxou-me para seu fundo

Rompeu a rosa pirâmide

Roubou-me um beijo de sangue

E bateu asas no mundo.

7 comentários:

CRÍTICA NACIONAL disse...

O amor bem retratado ao sabor do vinho e com todo o cenário de êxtase.

Pura emoção, Denise!

Toni Ferreira

Camila Melo Puni disse...

Denise,

Forte, maduro e palpitante!

Te sigo para trocas em palavras hehe
Abraço,

Camila Melo Puni
Curitiba-PR

MqV disse...

Ah, esses seres alados! Intensos e fugazes...

Assis de Mello disse...

Arrebatamento. É isso que sinto com esse poema. A brisa e o fogo batem e vão... mas sempre ficam.
Saudade docê, Mestra !!!

Fernando Campanella disse...

Belo poema, Denise, as fases da paixão, e o voo solo no final. Grande abraço.

Primeira Pessoa disse...

Denise,
já te conhecia da música, das suas harmonias cheias de curvas, das letras bem construídas...
Gostei do blog e agora poderei acompanhar mais de perto as coisas que vai produzindo.
Quando tiver um tempinho, dê uma passada pela minha "casa":

www.cronicasderobertolima.blogspot.com

Sou assumindamente neófito, mas estou adorando essa experiência que a democracia dos blog nos proporciona.

Grande abraço,
admiração do

Roberto Lima.

Nivia disse...

Cara Denise hoje tentei criar um blog
pois so tenho o email.Presico que me mande o convite
para poder criar o meu blog e me comunicar com vc. Obrigado pela atenção.
Luiz Carlos Silva

(responeder o mais rapido possivel e se caso tiver um email me passar,que tenho uma mensagem importante para lhe enviar).