quinta-feira, 17 de setembro de 2009


foto Assis Melo

DICIONÁRIO DA LÍNGUA BELA


- I -

Estrelas de azul vertigem
Nada me dizem falam de si
Maior abismo cava-se aqui

- II -

Amor amor
Viestes vazio
Nada me luz
Nada me cio
Já não me entregas teu rio

Ontem selvagem
hoje sombrio
O que me trazes
Jornal da tarde
Secas folhagens
- horas de estio.



- III -





Das rochas escuto rimas
Deixo que passem pássaros
As palavras as vertigens
Não me aproprio ainda
Do seu imprevisto canto
Escalo a página em branco.




- IV -


O que será a noite noite cheia
Céu que incendeia e nada clara
Nada me fala se não senões
Astros borrões rostos distantes
Quasar pulsante - de nada sei.





3 comentários:

Assis de Mello disse...

Estia sobre o musgo verde
encharcado d'água
brilhoso em vida

Lindo, Mestra !!!!

ANTONIO DESIDÉRIO FRUTUOSO FERREIRA DE CARVALHO disse...

Denise,
Seu poema me faz recordar de

Um amor ardente
À luz do sol poente
Faz-me mui contente
E de semblante reluzente.

Senti-me inspirado por seus versos,
Obrigado Denise por nos dar tanta emoção.

Toni Ferreira

Alisson da Hora disse...

Gostei do teu ritmo, da tua construção...

abraços